• INO Nutrição

Osteoporose e câncer

Atualizado: Out 20

A osteoporose é a perda de densidade mineral óssea, sendo também um efeito colateral recorrente em pacientes com câncer. Essa condição pode levar a fraturas e até aumentar a taxa de mortalidade entre os pacientes oncológicos. Os dois tipos de cânceres mais afetados pela osteoporose são: o câncer de mama e o de próstata, especialmente pela perda de hormônios sexuais que ocorre em muitos casos.



Existem diversos fatores que podem levar a ocorrência dessa condição, entre eles o câncer em si ou o tratamento – quimioterapia, corticoides, inibidores de aromatase (usados em mulheres com câncer de mama, hormônio positivo em menopausa) e de privação de andrógenos (usados em homens com câncer de próstata). A idade avançada também é um fator de risco importante para o aumento da incidência de osteoporose na população com câncer.

Câncer de próstata e câncer de mama

No caso do câncer de próstata, os pacientes são mais afetados pela osteoporose por conta do tratamento, que é a inibição do receptor de androgêneo (AR). Isso porque, nos homens, a testosterona, produzida pelo testículo, se liga a esse receptor, que também está presente nos ossos e possui como funções a proliferação de osteoblastos (células que produzem osso), a inibição da apoptose de osteoblasto (morte da célula) e os estímulos de fatores de crescimento.

Já em mulheres, o estrogênio estimula seus receptores (a e b) no osso. Este hormônio é responsável por aumentar as células que produzem ossos e inibir a maturação de células que degradam a matriz óssea – os osteoclastos. As maiores perdas de matriz óssea nas mulheres ocorrem nos primeiros 3 anos da menopausa ou da inibição da produção do estrogênio.

O que fazer

Para diminuir o efeito nocivo da osteoporose, a alimentação é uma grande aliada. Para isso, é necessário diminuir o consumo de álcool e ter um consumo adequado de fontes de cálcio e vitamina D. Caso não sejam suficientes, pode ser avaliada a suplementação desses componentes. Outros nutrientes importantes são as vitaminas do complexo B, vitamina K, vitamina C, potássio, magnésio e zinco, além de um consumo adequado de proteína (animal ou vegetal).

Outro fator relevante para o tratamento da osteoporose, para o paciente com câncer é a melhora da microbiota. A microbiota também é responsável por otimizar a absorção desses nutrientes, especialmente vitaminas do complexo B e a vitamina K, além de ser um importante fator no controle de inflamação do corpo.

É importante ressaltar que o tratamento da osteoporose pela alimentação também é multifatorial e que um nutriente sozinho não é capaz de mitigar todo o processo. Assim, é necessário o consumo adequado de todos os nutrientes (macro e micro) ressaltados aqui, manter uma microbiota saudável, diminuir o processo inflamatório e realizar atividade física regularmente. Procure um nutricionista para te auxiliar neste tratamento.


REFERÊNCIAS

htps://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5805796/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3783531/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7069453/

https://www.mdpi.com/2072-6643/12/7/1986

18 visualizações

Horário de atendimento: segunda a sexta, de 8h às 19h

 Rua Itapeva, 240. Sala 301 - Ed. Itapeva Medical Center. Bela Vista, São Paulo (SP) 

©Instituto de Nutrição e Oncologia 2020 - Todos os direitos reservados