• INO Nutrição

5 maneiras de garantir que sua prescrição nutricional é adequada

Atualizado: Out 20

Uma das grandes preocupações entre os nutricionistas que atendem pacientes oncológicos é garantir que a sua prescrição nutricional seja segura, ou seja, que não vá trazer prejuízos ao paciente ou ao tratamento oncológico. Por ser uma doença e um tratamento complexos, aqui vão algumas dicas que utilizamos no nosso dia a dia, e que aperfeiçoamos ao longo dos anos de atendimento a esse público, para termos tranquilidade na nossa prescrição dietoterápica:


1. Garantir que não há interação entre o tratamento oncológico e os alimentos (especialmente ervas e suplementos)

O uso de ervas e suplementos em pacientes oncológicos podem ser muito benéficos. Porém, é importante garantir que não há interação droga-nutriente, especialmente nos pacientes em tratamento sistêmico (quimioterapia intravenosa ou oral e hormonioterapia). Para isso, é necessário pesquisar possíveis interações com o medicamento utilizado antes de prescrever qualquer componente.


2. Sempre procurar os possíveis efeitos colaterais do tratamento e se antecipar em relação ao mais comuns

Cada tratamento, levando em conta o tipo e o local do câncer, possui efeitos colaterais diferentes. É importante, como nutricionista, saber quais são eles, de acordo com a modalidade de tratamento e de medicamento.


3. Adequar as necessidades nutricionais do paciente de forma individualizada

Alguns cânceres são catabólicos (ou seja, demandam mais energia) e outros não. Por isso, entender as necessidades nutricionais de cada paciente garante que você estará prescrevendo o que ele precisa – no paciente com mais necessidade energética, passar mais calorias é importante para diminuir o risco de perda de peso. Mas, no caso de doenças que não são tão catabólicas, o excesso de energia pode levar ao ganho de peso, o que é ruim para o paciente e para a doença.


4. Sempre leve em consideração as comorbidades prévias do paciente e os medicamentos utilizados

Muitas vezes, o paciente que está com câncer também possui outras doenças prévias e utiliza outros medicamentos. O nutricionista precisa levar essas condições em consideração na hora de fazer a prescrição e pensar em uma estratégia para tratamento de ambas.


5. Antecipe-se nos possíveis danos – agudos e tardios – que o tratamento pode causar ao paciente

O tratamento oncológico traz alguns efeitos colaterais que podem ser atenuados ou até mitigados por meio da alimentação, como baixa imunidade, anemia, toxicidade cardíaca, osteoporose e alterações metabólicas. Com isso, se antecipar é necessário para diminuir esses efeitos colaterais.

Essas são as nossas dicas para que o atendimento ao paciente oncológico em vez de ajudar o paciente, acabe causando danos a sua saúde. Contudo, é importante deixar claro que essa lista não é exaustiva. Existem ainda outras formas de tentar garantir essa segurança. Mas isso é assunto para outros posts.


4 visualizações

Horário de atendimento: segunda a sexta, de 8h às 19h

 Rua Itapeva, 240. Sala 301 - Ed. Itapeva Medical Center. Bela Vista, São Paulo (SP) 

©Instituto de Nutrição e Oncologia 2020 - Todos os direitos reservados